Você está aqui: Home Gravatá

Sábado01 Novembro 2014

Gravatá

História

O município de Gravatá originou-se em 1808, na fazenda pertencente a José Justino Carreiro de Miranda. O local servia como hospedagem para os viajantes que iam comercializar o açúcar e a carne bovina que eram levados em embarcações do Recife até o interior. Como a navegação pelo rio Ipojuca era difícil, os comerciantes eram obrigados a fazer paradas estratégicas. Uma dessas paradas ficou conhecida como Crauatá, nome derivado do tupi Karawatã("mato que fura"), por conta da predominância local de uma planta da família das bromélias.

Em 1810 iniciou-se a construção de uma capela dedicada a Sant'Ana que seria concluída 12 anos depois. Em seguida, as terras foram divididas em 100 lotes e vendidas aos moradores, dando início ao povoado de Gravatá, sendo um distrito do município de Bezerros.

Em 13 de junho de 1884, a sede de Gravatá foi elevada à categoria de cidade (Lei Provincial nº 1.805), porém sua emancipação política só veio acontecer após a Proclamação da República, através da Lei Orgânica dos Município, de 15 de março de 1893, quando foi eleito o primeiro prefeito: Antônio Avelino do Rego Barros.

No final do século XIX, com a inauguração da Ferrovia Great Western Railways, ligando o Recife ao sertão pernambucano, a cidade tomou considerável impulso. A construção BR-232 encurtou o tempo de viagem e venceu o desafio da Serra das Russas. A emancipação do município é comemorada no dia 15 de março.

Bairros de Gravatá:

BAIRRO NOVO

BOA VISTA

CENTRO

CRUZEIRO

COHAB 1

COHAB 2

MARIA AUXILIADORA

NORTE

NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS

NOVO GRAVATÁ

JARDIM SANTANA

PRADO

15 DE NOVEMBRO

SANTO ANTÔNIO

RIACHO DO MEL

VALE DO IPOJUCA

 

Distritos:

AVENCAS

MANDACARU

RUSSINHAS

SÃO SEVERINO DE GRAVATÁ

URUÇU-MIRIM

 

Clima

O clima de Gravatá é considerado tropical com média anual de 19°C, tendo como média no verão 20° e no inverno 15°C. A cidade está localizada no Planalto da Borborema, o que resulta em temperaturas confortáveis ou pouco altas no verão, e baixas temperaturas no inverno.

 

Economia

Gravatá tem como principais atividades econômicas a agricultura, o comércio varejista e a pecuária.

Conhecida como importante Polo Moveleiro do Estado, concentra um grande número de fabricantes de móveis rústicos e semi-rústicos em madeira maciça, além de fibras naturais.

A cidade é um grande celeiro de artistas, onde muitos trabalham com o artesanato manual, desde a tradicional bonequinha da sorte passando pelos brinquedos educativos em madeira até telas e esculturas.

Também é um importante centro de cultivo de hortaliças e legumes do agreste, especialmente no setor de orgânicos. Produz e comercializa, em média, duas toneladas semanais. Também tem destaque no cultivo de plantas, que garante ao município o título de maior produtor de flores temperadas do Nordeste.

No setor da criação animal, destaca-se pela presença de animais selecionados. Cavalos das raças manga larga marchador e quarto de milha; rebanho bovino das raças leiteiras jersey, gir, girolando, ovinos das raças santa inês, suffolk e caprinos com planteis de bôer importados do Canadá, Estados Unidos, Alemanha e África do Sul. Além de inúmeros canis, com as raças rottweiler, boxer e cocker spaniel.

O setor imobiliário do município é um dos mais importantes da região, sobretudo após a duplicação da Rodovia Luiz Gonzaga e pela oferta de terrenos e condomínios rurais que se multiplicam. Segundo os corretores, além da cidade ter o metro quadrado mais caro do estado, é o local onde mais se constroem casas, com uma média de cinco ao dia.

 

Turismo

Localizada a 80 km do Recife, na rodovia BR-232 que liga Recife a Caruaru, com altitude de 447 m acima do nível do mar e com um clima agradável, Gravatá é uma das cidades do Nordeste que mais cresce com o turismo.

O município tem aproximadamente 85 mil habitantes, mas nos fins de semana, quando ocorrem eventos, a população chega a 140 mil pessoas. Turistas de todos os estados e de vários paises do mundo que vêm desfrutar do clima agradável da cidade.

 

Eventos

O município tem-se destacado no turismo de eventos, aquecendo a economia durante todo o ano.

  • Em janeiro, no segundo domingo, ocorre a tradicional Festa de Reis.
  • Em fevereiro, blocos carnavalescos fazem a semana pré-carnavalesca e animam os foliões. Existe o tradicional bloco do Zé Pereira, fundado há mais de 100 anos, que sai no sábado de carnaval. Além do Carnaval da Rua do Norte, chamado Norte em Folia, e outras troças como o Bloco Pó-troça que sai no domingo, de Bairro Novo para o Centro.
  • Durante a Semana Santa, Gravatá se destaca pela animação, estando incluída no Roteiro da Paixões. Nesse período, atores locais encenam a Paixão de Cristo e são promovidos grandes shows musicais no Pátio de Eventos, com atrações de todos os gêneros. (estima-se que 500 mil pessoas visitam a cidade nesta época).
  • No mês de maio, abre-se espaço para o turismo religioso com as Festividades de Frei Damião. Uma grande caminhada sai da Igreja Matriz de Sant’Ana e vai até a Capela do Riacho do Mel, onde Frei Damião celebrou sua primeira missa no Brasil.
  • Em junho, o São João já é considerado um dos maiores e melhores do país. Na segunda quinzena, concursos de quadrilha matuta e shows de artistas nacionais, além de atrações locais e regionais, são realizados no Pátio de Eventos. (neste período, a visitação à cidade chega a 500 mil pessoas).
  • Em julho é comemorado o mês da padroeira da cidade, Sant'Ana, com missa todos os dias e procissão no dia 26.
  • Na primeira semana de agosto acontece a Feira da Estação, encerrando o Circuito do Frio, evento realizado pelo Governo do Estado, que percorre cidades de Pernambuco com oficinas e apresentações culturais e musicais.
  • Em setembro, os setores da economia (móveis, artesanato, gastronomia, flores e morangos) promovem o Festival Cultural.
  • Em dezembro, as principais ruas e praças da cidade são contempladas com uma decoração e iluminação especial para o Natal. No ano de 2011, foi realizado pelo Governo do Estado o primeiro Natal das Luzes na cidade.  E artistas de todos os estilos se apresentam em praças do centro.

 

Atrativos:

  • Alto do Cruzeiro: onde se encontra a estátua do Cristo Redentor. O acesso pode ser pelos 365 degraus da denominada Escadaria da Felicidade. De lá pode-se provar a gastronomia em restaurantes locais além de observar o pôr-do-sol.
  • Polo Moveleiro: onde são comercializados os móveis rústicos em madeira maciça, tais como maçaranduba e angelim.
  • Estação do Artesão: localizada na antiga estação ferroviária,ao lado do Pátio de Eventos Chucre Mussa Zarzar, onde os artesãos locais comercializam suas peças.
  • Memorial da Cidade (Casa da Cultura): localizado no antigo prédio da Cadeia Pública.
  • Balneário de Dona Nadir: situado a 12 km da cidade, com piscinas naturais e bicas.
  • Arquitetura: com suas construções dos séculos passados, como a Sede da Prefeitura (1908), a Igreja Matriz de Sant'Ana (1810), os casarões da avenida Joaquim Didier e a Capela do Cruzeiro, que dão um charme especial à cidade.
  • Trilhas: existem 14 túneis por onde passava a Ferrovia, como ela não está mais funcionando, várias pessoas se reúnem para fazer trilhas pelos túneis.